Tuesday, March 21, 2017

De Volta Pra Casa


Escrever sempre foi um passatempo. Fazer diário, por muito tempo, foi parte da minha vida.
Quando ambos se encontraram, ao acaso, em um blog a coisa ficou mais divertida, e mais confusa. O que era algo tímido, e bem discreto, chegou a mais de 120 visualizações por dia, ali em um determinado momento de 2016. Nesse tempo, eu já quase não conseguia mais escrever poemas, textos sobre a personagem ficticia da camisa branca que tinha criado.
Eu apenas escrevia sobre mim. Algumas vezes realidade crua, e dura. Outras fatos com purpurina. Sempre sobre mim. As estatísticas do blog me assustaram. Parei. A falta que escrever me faz me assustou mais. Aqui, não reviso pontos e vírgulas, não confiro português, não penso se o causador de minhas as agruras estará lendo, ou se quem pode ter sofrido com elas poderá se sentir mal. Aqui, apenas solto teclas e pensamento. Sou dramática, sou dura, sou tensa, sou leve. Deixo a musica tocar, o vinho baixar e as palavras que me vem a mente rolarem, sem culpa e sem freio.
Aqui sou piegas ao extremo, como nunca consegui me sentir na vida real. E quem nunca foi que julgue.
Decidi recomeçar. Não sei em que ritmo. Não sei em que intensidade. Não sei com que exposição. Sei apenas, que voltei pra casa.
Bem vindos.

Tuesday, April 12, 2016

Heaven

Música tem um poder absoluto sobre mim. As vezes esqueço de como uma música me faz viajar por lugares que já foram guardados em uma caixinha fechada a chave. E de como optei por não ouvi-las, por não querer ter essas memórias revividas. Memória afetiva é fogo.
Estava aqui, absorta em pensamentos sobre alguém que ocupa meus dias e noites completamente. Um serzinho que me intriga é que me faz sorrir. Estava pensando em alguém que me faz feliz quando está comigo e que não me deixa infeliz quando está longe. Estava curtindo deliciosas e maliciosas lembranças. Estava leve, pensando em uma trilha adequada para essas lembranças.
O spotify estava rodando uma palylist que fiz com minhas musicas preferidas enquanto anoto os títulos para essa nova seleção especial. Quando faço isso, dificilmente deixo rolar até o final, pois vou passando as músicas, impaciente que sou, buscando a mais perfeita nova seleção. 
Perdida com a memória de cheiros, gostos, desejos e sons, a playlist que rolava no spotify foi rodando com músicas especiais que marcaram muitos bons momentos da minha vida. Até que começou a tocar Heaven/ follow true love. Um momento, uma estrofe. A sensação de leveza foi embora e as lembranças mais duras de um passado enterrado e doloroso me invadiram. Lembranças guardadas a chave. A gente pode esquecer um amor. Pode se curar de alguém. Mas não supera o sofrimento que alguém nos impôs. Não esquece a agressão verbal que alguém nos fez ouvir por crueldade. Não passa por cima da mágoa de saber que foi a válvula de escape das emoções e dores de uma pessoa. O tempo passa, certas cicatrizes ficam.
Uma música linda, infelizmente, pode se tornar uma arma poderosa. E fazer a mente voltar anos no tempo. Isso é uma tremenda injustiça.

Tuesday, March 29, 2016

Se amar fosse fácil, eu certamente não amaria. A facilidade me cansa, me fatiga, me incomoda.
Se amar fosse comum, eu certamente fugiria. O comum me assusta, me desencanta, me enerva.
Amar é, para mim, aprendizado constante. Conquista diária. Construção permanente. É nobreza de espírito e pureza de alma. É entrega completa. E ao contrário do que fazem parecer, nada banal. É tarefa de sábios, de gênios, de cultos.
Por isso me apaixono muito, mas amo tão  raramente.

Monday, October 05, 2015

Agora não, vida

A vida gosta de aprontar conosco. Sempre colocando situações que nos deixam entre fuga e precipício, entre medo e enfrentamento, entre decisões preferimos não tomar e a necessidade de definição. A vida nos obriga a decidir entre engolir em seco ou fazer declarações necessárias.
Quando achamos que já está tudo bem, sereno, que já não criamos mais expectativas e já não precisamos mais de romance, lá vem ela pra nos confrontar. Pra nos lembrar que não somos sempre nós no controle. O problema, é que às vezes a gente quer, sim, ter controle. Quer, sim, identificar o que faz bem e o que pode ser que não faça, e simplesmente concluir que o risco já não vale a pena. 
Levei muito tempo para entender que me basto. Levei muito tempo para entender o tipo de relacionamento que quero para mim. Levei muito tempo para entender que não quero ser cobrada, que não quero crises de ciúmes e que preciso do meu espaço. Levei muito tempo para entender que por aqui, insegurança não vai mais servir. Então, vida, não venha aprontar comigo, não agora. Não venha tentar truques antigos, reedições, apresentações de velhos gostos. Não venha me mostrar aquilo que eu já aprendi que me faz mal. Eu levei muito tempo para perceber o que funciona para mim. E pra saber que o tempo é tão precioso quanto vida.

Friday, September 11, 2015

Desistir, só por um momento.

“Desistir
Eu já pensei seriamente nisso, mas nunca me levei realmente a sério; 
É que tem mais chão nos meus olhos do que o cansaço nas minhas pernas, 
Mais esperança nos meus passos, do que tristeza nos meus ombros,
Mais estrada no meu coração do que medo na minha cabeça.” 

Li esse pensamento da Cora Coralina agora pela manhã na página de um conhecido. 

Hoje estou tão triste e desesperançosa que me faltam olhos, esperança, ombros e coração para querer prosseguir. 

Ainda bem que sempre há um amanhã para acordar melhor. E enterrar tudo o que nos acontece de ruim.

Tuesday, September 01, 2015

Tempo, tempo, tempo

Eu gostaria de voltar o tempo. Ter a lucidez que tenho hoje, minha maturidade, entender a vida como entendo, perceber e ler as pessoas como agora, e com isso tudo viver algumas das oportunidades que vivi, que desperdicei, que não entendi. 
Eu gostaria de voltar o tempo, para poder dizer para algumas pessoas o quanto sou grata a elas. O quanto elas me ajudaram, mesmo com atitudes que me magoaram, a ser quem eu sou. Quando somos muito jovens, a cólera, a dor, a incompreensão não nos permite olhar adiante. Não que o tempo diminua certas dores, mas nos faz entender que elas não matam, apenas fortalecem e passam muito rápido. 
Eu gostaria de voltar o tempo para valorizar alguns dos chefes difíceis e temperamentais que tive. Aqueles que nos fazem correr até o banheiro para disfarçar lágrimas. Sem eles, talvez eu não tivesse mudado os rumos da minha carreira, talvez não tivesse me atirado em novas oportunidades, não não tivesse vindo para onde vim.
Eu gostaria de voltar o tempo para aproveitar melhor oportunidade que tive, momentos que passaram rápidos, lugares que visitei. Guardar melhor informações que recebi. Entender que algumas coisas não se repetem, algumas amizades são passageiras, algumas pessoas estão na vida da gente apenas por um breve momento e com um breve objetivo. Teria aproveitado muita gente, muito melhor.
E, principalmente, eu gostaria de voltar o tempo, para fazer duas ou três coisas diferentes. Não desperdiçar algumas poucas pessoas, ou momentos. Abraçá-los com força e intensidade. E não deixar que meu medo fosse maiores que minhas vontades.
E como isso não é possível eu apenas aceito pensar em como seria diferente, se um dia isso acontecesse. 

Friday, July 10, 2015

Landslide

I took my love, I took it down
I climbed a mountain and I turned around
And I saw my reflection in the snow-covered hills
Till the landslide brought me down

Oh, mirror in the sky, what is love?
Can the child within my heart rise above?
Can I sail through the changing ocean tides?
Can I handle the seasons of my life?

Well, I've been afraid of changing
'Cause I've built my life around you
But time makes you bolder
Even children get older
And I'm getting older too

Well, I've been afraid of changing
'Cause I've built my life around you
But time makes you bolder
Even children get older
And I'm getting older too
Oh, I'm getting older too

I take my love, take it down
I climb a mountain and turn around
And if you see my reflection in the snow-covered hills
Will the landslide bring you down
And if you see my reflection in the snow-covered hills
Will the landslide bring you down, oh, oh
The landslide bring you down

http://youtu.be/4xW2taEoH6s

De Volta Pra Casa

Escrever sempre foi um passatempo. Fazer diário, por muito tempo, foi parte da minha vida. Quando ambos se encontraram, ao acaso, em um bl...